Blogger templates

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Espíritas de Mato Grosso homenageiam Yvonne Pereira

No mês de fevereiro, o movimento espírita brasileiro celebra os 30 anos da passagem de Yvonne do Amaral Pereira, uma das mais respeitadas médiuns e responsável pela psicografia de grandes clássicos espíritas. ‘Memórias de Um Suicida’ é considerado um marco na bibliografia mediúnica e uma referência no estudo acerca do suicídio sob o ponto de vista doutrinário.

Para o diretor da Federação Espírita do Estado de Mato Grosso Afro Stefanini II, também escritor espírita, Yvonne do Amaral Pereira é médium resoluta e fiel à Doutrina Espírita de forma singular. “Além de ‘Memórias de Um Suicida’, a obra que mais me chamou atenção para o estudo das informações doutrinárias, guardo com carinho a leitura na minha adolescência de ‘Devassando o Invisível’, que n?o é propriamente psicografado, porque ali Yvonne se coloca como autora da obra relatando seus encontros com os Espíritos”, lembrou Afro.


‘O Drama de Bretanha’, na opinião da Coordenadora da Feemt - Regional Oeste Delta Graça Lenear dos Santos Salles, é uma leitura essencial para quem busca conhecer mais sobre os sutis mecanismos da influência obsessiva em nossos comportamentos. Ela lembra que este livro aborda de forma muito precisa como a rebeldia e a preguiça moral trazem à nossa presença inúmeros espíritos adversários.

Dificilmente, encontraremos uma pessoa no movimento espírita que não tenha lido, pelo menos, uma obra de Yvonne do Amaral Pereira.


Abaixo, relacionamos alguns testemunhos:

Renata Garutti  Rossafa: ”Sou muito grata a Yvonne do Amaral, que se fez médium dócil, exemplar e disciplinada, possibilitando obras como ‘Memórias de Um Suicida’ e ‘O Drama de Bretanha’ - que leio no momento, e cujo conteúdo  contribui com os nossos exercícios cotidianos de redenção perante nossa própria consciência.”


Alírio de Cerqueira Filho: “Todas as obras de Yvonne Pereira são excelentes. A que considero uma verdadeira obra prima da literatura espírita é ‘Memórias de Um Suicida’ pelas grandes revelações que a obra traz. O ‘Recordações da Mediunidade’ e ‘Devassando o Invisível’ são excelentes manuais práticos de como se lidar com as atividades mediúnicas.


Niobe Rondon: “A trajetória de vida de Yvonne Pereira já é uma grande lição, tamanha a perseverança, renúncia, dedicação e amor como realizou a tarefa que abraçou, tendo a mediunidade como uma missão nesta sua última reencanação.”


Neuza Faiad: “Todos os livros da Yvonne são de primeira grandeza, mas faço destaque para ‘Recordações da Mediunidade’, escrito pela própria médium por sugestão do Espírito Bezerra de Menezes. Na introdução, Yvonne faz um lindo agradecimento, mostrando o seu compromisso com a mediunidade , a sua pureza de propósitos. Yvonne é um exemplo a ser seguido por todos os médiuns da atualidade.”


Saulo Gouveia: “Foi através de seus livros, seus romances, que percebi a interatividade entre os dois mundos, dos encarnados e desencarnados, e as consequências de nossos pensamentos e atitudes nestes contextos. Além do livro ‘Memórias de Um Suicida’, de seus romances de fatos reais de sua própria vida, o livro ‘Devassando o Invisível’ foi, para mim, um divisor de águas. Pois ali apreendi questões muito práticas e reais de nosso cotidiano. Tenho por Yvonne Pereira especial gratidão.”


Nestor Fidelis:  “Uno-me àqueles que se consideram devedores das lições amorosas de Yvonne Pereira. Recordo-me aos 19 anos virando a noite acordado para ler as suas obras. Colocava músicas clássicas no meu primeiro aparelho de  CD e me sentia como se estivesse na Europa dos tempos de Catarina de Medici. Uma verdadeira viagem.”

Luiza Leontina: “Disciplinada e persistente, Yvonne Pereira deu exemplo de prudência e bom senso quando, por quase 30 anos, guardou os originais de ‘Memórias de Um Suicida’, para certificar-se do momento correto para sua publicação, merecendo de  Chico Xavier  o título de  “a heroína silenciosa”.”

Ieda Callejas: “A trilogia, ‘Nas Voragens do Pecado’, ‘Cavaleiro de Numiers’ e ‘O Drama da Bretanha’ nortearam a minha vida por longos anos para que eu não incidisse em equívocos semelhantes praticados no passado.”

Embora desde 1926 Yvonne do Amaral Pereira tenha escrito numerosas obras psicografadas, as conjunturas da época só permitiram publicá-las a partir da década de 50, por orientação dos seus mentores espirituais. Dentre eles:

Memórias de um Suicida
Nas Telas do Infinito
Amor e Ódio
A Tragédia de Santa Maria
Ressurreição e Vida
Nas Voragens do Pecado
O Cavaleiro de Numiers
O Drama da Bretanha
Dramas da Obsessão
Sublimação A Família Espírita
À Luz do Consolador
Cânticos do Coração
Contos Amigos
Devassando o Invisível
Evangelho aos Simples
Recordações da Mediunidade

A Médium
Filha de Manuel José Pereira Filho, um pequeno comerciante, e de Elizabeth do Amaral, foi a primeira de seis filhos do casal. A mãe já havia tido um filho de seu primeiro casamento. Nasceu em Valença, no dia 24 de dezembro de 1900 e desencarnou no dia 9 de março de 1984.

*Texto extraído do site da FEEMT.

0 comentários: