Blogger templates

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Fórum Nacional de Arte Espírita

0 comentários
Vagas quase preenchidas!

Até o dia 18 de fevereiro, 76 pessoas já haviam se inscrito para o 8° Fórum Nacional de Arte Espírita, que acontece em junho próximo, em Brasília. Como o número de vagas para o evento é limitado a 120, das quais, 20 estão reservadas para grupos convidados pela organização para fazer apresentações artísticas, estão restando, em princípio, apenas 24 vagas para o evento.

As inscrições encerram-se no dia 15 de abril de 2011 ou quando preencherem as 100 vagas. A partir da centésima primeira inscrição, as inscrições entram em lista de espera, para o caso de sobra de vagas. Caso os grupos convidados não utilizem as 20 vagas, ao final das inscrições, as vagas não ocupadas serão liberadas para a lista de espera, por ordem de inscrição, até o preenchimento das 120 vagas totais. Eventuais desistências também serão preenchidas pela lista de espera, respeitando-se também a ordem de inscrição.

O Fórum Nacional de Arte Espírita tem por objetivo proporcionar um espaço de debates e reflexões para lideranças do movimento artístico espírita nacional, ou seja, coordenadores de grupos espíritas de arte ou pessoas que estejam a frente de trabalhos artísticos espíritas. As apresentações artísticas, durante o evento, serão limitadas a pequenos momentos, a fim de não descaracterizar o foco principal do Fórum. Haverá momentos de apresentações artísticas voltadas ao público externo, com o objetivo de divulgar ao público da cidade um pouco do trabalho artístico espírita existente no Brasil. Essas apresentações serão feitas por grupos convidados pela organização geral do evento.

Esta será a oitava edição do Fórum, que vem sendo realizado consecutiva e anualmente desde 2004. Foi na quarta edição do evento, em 2007, realizada em Salvador, que se fundou a Abrarte.

O valor da inscrição para este próximo Fórum será diferenciado, de acordo com a data em que for realizada, conforme segue:

Até 14/março: R$ 55,00 para associados que estejam em dia com a tesouraria e R$ 70,00 para não associados ou associados que não estão em dia.

De 15/março a 15/abril : R$ 75,00 para associados que estejam em dia com a tesouraria e R$ 85,00 para não associados ou associados que não estão em dia.

*Notícia extraída do site da Associação Brasileira de Arte Espírita (ABRARTE) com modificações da Equipe de Comunicação do LEAE.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Prorrogadas as inscrições para a 9º Conjemat

1 comentários



As inscrições para a 9º Confraternização de Jovens Espíritas de Mato Grosso (Conjemat) foram prorrogadas até o dia 25 de fevereiro.

O evento voltado para os jovens de 13 a 21 anos ocorrerá de 5 a 8 -2727.de março em Rondonópolis.

Acesse o site do evento: http://www.conjemat.com/. Mais informações: (65) 3644

Palestra do dia 28 de fevereiro

0 comentários
Na próxima segunda-feira, dia 28, teremos a palestra "Pelos Frutos", ministrada pelo Paulo.

Segue o texto de embasamento:

_______________________________________________________________________


“Por seus frutos os conhecereis.” – Jesus. (Mateus, 7:16.)

_________________________________________________________________________

Nem pelo tamanho; nem pela configuração; nem pelas ramagens; nem pela imponência da copa; nem pelos rebentos verdes; nem pelas pontas ressequidas; nem pelo aspecto brilhante; nem pela apresentação desagradável; nem pela vetustez do tronco; nem pela fragilidade das folhas; nem pela casca rústica ou delicada; nem pelas flores perfumadas ou inodoras; nem pelo aroma atraente; nem pelas emanações repulsivas.

Árvore alguma será conhecida ou amada pelas aparências exteriores, mas sim pelos frutos, pela utilidade, pela produção.

Assim também nosso espírito em plena jornada...

Ninguém que se consagre realmente à verdade dará testemunho de nós pelo que parecemos, pela superficialidade de nossa vida, pela epiderme de nossas atitudes ou expressões individuais percebidas ou apreciadas de passagem, mas sim pela substância de nossa colaboração no progresso comum, pela importância de nosso concurso no bem geral.

– Pelos frutos os conhecereis” – disse o Mestre.

– “Pelas nossas ações seremos conhecidos” – repetiremos nós.

Posição da FEB sobre o carnaval com Chico

0 comentários
Nota de Esclarecimento da FEB sobre Notícia do Carnaval Carioca
NOTA DE ESCLARECIMENTO


Tendo em vista inúmeras manifestações recebidas relacionadas com o anúncio de homenagens que se pretende prestar ao Espiritismo e a Chico Xavier no carnaval carioca, que enfoca a importância da comunicação dos homens com o mundo espiritual, a Federação Espírita Brasileira - FEB informa que tomou conhecimento desse assunto quando da sua publicação, não sendo correta a interpretação de que tenha participado de prévio entendimento.

A FEB esclarece, também, que continua empenhada em promover a difusão da Doutrina Espírita, nos moldes e na forma compatíveis com os seus princípios doutrinários, com seriedade, dignidade e elevação espiritual.

A FEB esclarece, finalmente, que respeita o direito de todos os que, no uso de sua liberdade de ação, agem no mesmo sentido de colocar a mensagem consoladora e esclarecedora dos ensinos espíritas ao alcance e a serviço de todas as pessoas, onde elas se encontrem, orientando, todavia, para que esse trabalho seja sempre feito preservando os seus valores éticos e doutrinários.


Brasília, 18 de fevereiro de 2011.


Assessoria de Comunicação da FEB

Chico Xavier homenageado em carnaval

0 comentários
Viradouro vai levar o espiritismo à Sapucaí com carro sobre Chico Xavier
Fugir do convencional para voltar ao Grupo Especial. Essa é a estratégia da Unidos do Viradouro para este carnaval, de acordo com o carnavalesco Jack Vasconcelos. E dentro dessa proposta, uma das apostas da vermelha e branca é um setor inteiro, no fim do desfile, dedicado ao espiritismo.

No enredo "Quem sou eu sem você", Jack fará, no último carro, uma homenagem a Chico Xavier. O médium será representado por uma escultura em que aparecerá psicografando, cercada por 60 componentes, alguns deles espíritas, que farão uma performance de mediunidade.

- Nosso enredo é sobre a comunicação usada para unir as pessoas. No último setor, vamos mostrar o contato entre os diferentes planos, com o além. De forma carnavalesca, mas com muita responsabilidade. Tenho certeza de que será um momento emocionante - diz Jack, filho de mãe espírita.

Em termos plásticos, o setor será todo inspirado na estética do filme "Nosso Lar", de Wagner de Assis, baseado na obra de Chico Xavier. A última alegoria, inclusive, terá uma espécie de pirâmide, reproduzindo o Ministério da Comunicação do filme. O ator Renato Prieto, protagonista da produção, também participará do desfile. É ele que faz a ponte entre a agremiação e a Federação Espírita, para evitar que qualquer preceito do espiritismo seja desrespeitado na apresentação da vermelha e branca.
Abre-alas representará a bandeira da agremiação

As ousadias da Viradouro, no entanto, não vão parar por aí. No terceiro carro, seis integrantes do grupo Gangue dos Patins vão patinar numa pista no alto da alegoria, como mensageiros do mundo conectado. Já no abre-alas, de 34 metros (dois carros acoplados), 120 componentes representarão a torcida da escola. O carro terá todos os símbolos da bandeira da vermelha e branca, como a coroa a as mãos unidas, também como parte do enredo sobre comunicação. Rebaixada ano passado para o Grupo de Acesso, a Viradouro será a terceira a desfilar no sábado do carnaval.

*Nota extraída do site O Globo.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Allan Kardec e as Obras Básicas - Part. II

0 comentários
Por Fabiana Lampréia Padilha

Allan Kardec: O Homem

Na cidade de Lião, na França, nasceu no dia 3 de outubro de l804, aquele que se celebrizaria sob o pseudônimo de Allan Kardec. De tradicional família francesa de magistrados e professores, filho de Jean Baptiste Antoine Rivail e Jeane Louise Duhamel, foi batizado com o nome de Hippolyte Léon Denizard Rivail.

Em Lião fez os seus primeiros estudos, seguindo depois para Yverdon, na Suíça, a fim de estudar no Instituto do célebre professor Pestalozzi. O instituto desse abalizado mestre era um dos mais famosos e respeitados em toda a Europa. Desde cedo Hippolyte Léon tornou-se um dos mais eminentes discípulos de Pestalozzi, tendo inclusive, com a idade de 14 anos, ensinado aos condiscípulos menos adiantados, tudo o que aprendia.

Concluídos os estudos em Yverdon, regressou a Paris, onde se tornou conceituado mestre não só em Letras, como na Ciência, distinguindo-se como notável pedagogo e divulgador do Método Pestalozziano. Conhecia diversas línguas, entre elas o italiano e alemão, tendo traduzido várias obras para o francês. Contraiu matrimônio com a professora Amelie Gabrielle Boudet, conquistando uma preciosa colaboradora. O casal não teve filhos.

Como pedagogo, Rivail publicou numerosos livros didáticos. Apresenta na mesma época, planos e métodos referentes à reforma do ensino francês. Entre as obras publicadas, destacam-se: Curso Teórico e Prático de Aritmética, Gramática Francesa Clássica, Catecismo Gramatical da Língua Francesa, além de programas de cursos ordinários de Física, Química, Astronomia e Fisiologia.

Allan Kardec: O Codificador

Começa a missão de Allan Kardec quando, em 1854, ouviu falar pela primeira vez nas mesas girantes através do amigo Fortier, um pesquisador emérito do Magnetismo (Kardec a época interessava-se também pelo estudo desta ciência). Em princípio, Kardec revelou-se cético, face à sua posição de livre pensador, de homem austero, sincero e observador. Exigindo provas, mostrou-se inclinado à observação mais profunda dos ruidosos fatos amplamente divulgados pela imprensa francesa.

No ano seguinte, 1855, aceita o convite para assistir a uma sessão de mesas girantes, e vendo o fenômeno, ele se interessa profundamente. Vê ali um fenômeno inusitado que deveria merecer um exame cuidadoso. Ele decide então, aos 51 anos de idade, estudar o fenômeno mediúnico. Passa a freqüentar a residência de diversos médiuns, recebe cadernos contendo anotações de mensagens recebidas anteriormente, discute, analisa, apresenta questões de grande profundidade aos Espíritos, convencido que está da realidade do mundo extra-físico.

O grande material estudado por ele, mais as centenas de questões propostas às Entidades Luminosas, deram condições ao professor Rivail de publicar a sua primeira obra, O Livro dos Espíritos, em 18 de abril de 1857. Esta data passou a ser considerada como a de fundação do Espiritismo.

Decide adotar o pseudônimo de Allan Kardec por dois motivos: primeiro para que o seu nome real, conhecidíssimo em Paris, não viesse a interferir na grandeza do livro, que segundo ele, deveria florescer pelo seu valor e, não pelo autor que o subscrevia. Segundo, em homenagem a uma existência que ele tivera nas Gálias, no primeiro século antes de Cristo, onde fora um sacerdote druida denominado Allan Kardec.

Fundou em lº de janeiro de 1858 a Revista Espírita, órgão mensal que deveria assumir um papel importantíssimo na divulgação da Doutrina, e no mesmo ano, no dia 1º de abril, ele funda a primeira sociedade espírita com o nome de Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. No dia 15 de janeiro de 1861 lança O Livro dos Médiuns, e depois, sucessivamente, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno, e A Gênese.

Kardec vem a deixar o mundo físico na manhã do dia 31 de março de 1869, em função da ruptura de um aneurisma cardíaco.


* Trechos retirados do texto 'Allan Kardec e as Obras Básicas', extraído do site Portal do Espírito.


Palestra do dia 21 de fevereiro

0 comentários
Nesta segunda, dia 21, teremos a palestra "Aceita a Correção", ministrada por Noeme.

Segue o texto de embasamento:

_____________________________________________________________________________

“E, na verdade, toda correção, no presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas, depois, produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela.” Paulo. (Hebreus, 12:11.)

_____________________________________________________________________________


A terra, sob a pressão do arado, rasga-se e dilacera-se; no entanto, a breve tempo, de suas leiras retificadas brotam flores e frutos deliciosos.

A árvore, em regime de poda, perde vastas reservas de seiva, desnutrindo-se e afeando-se; todavia, em semanas rápidas, cobre-se de nova robustez, habilitando-se à beleza e à fartura.

A água humilde abandona o aconchego da fonte, sofre os impositivos do movimento, alcança o grande rio e, depois, partilha a grandeza do mar.

Qual ocorre na esfera simples da Natureza, acontece no reino complexo da alma.

A corrigenda é sempre rude, desagradável, amargurosa; mas, naqueles que lhe aceitam a luz, resulta sempre em frutos abençoados de experiência, conhecimento, compreensão e justiça.

A terra, a árvore e a água suportam-na, através de constrangimento, mas o Homem, campeão da inteligência no Planeta, é livre para recebê-la e ambientá-la no próprio coração.

O problema da felicidade pessoal, por isso mesmo, nunca será resolvido pela fuga ao processo reparador.

Exterioriza-se a correção celeste em todos os ângulos da Terra.

Raros, contudo, lhe aceitam a bênção, porque semelhante dádiva, na maior parte das vezes, não chega envolvida em arminho e, quando levada aos lábios, não se assemelha a saboroso confeito. Surge, revestida de acúleos ou misturada de fel, à guisa de remédio curativo e salutar.

Não percas, portanto, a tua preciosa oportunidade de aperfeiçoamento.

A dor e o obstáculo, o trabalho e a luta são recursos de sublimação que nos compete aproveitar.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Allan Kardec e as Obras Básicas

0 comentários
Por Fabiana Lampréia Padilha
-------------------------------

Introdução

Os fatos atinentes às revelações dos Espíritos ou fenômenos mediúnicos remontam a mais recuada Antigüidade, sendo tão velhos quanto o nosso mundo. A História, a este propósito, está pontilhada desses fenômenos de intercomunicação espiritual. A respeito dos princípios espíritas, muitos homens ilustres manifestaram-se favoravelmente, como Sócrates, Platão, Pitágoras, Empédocles, Apolônio de Tiana, Buda, Hermes Trimegisto, etc.

As evocações dos Espíritos existiram sempre tanto no Ocidente quanto no Oriente, como se observa pelos relatos do Código dos Vedas e do Código de Manu.

Paulo, o apóstolo, em suas cartas, reconhecia a prática das manifestações espirituais, alertando-nos quanto à procedência dessas comunicações. Na Idade Média, destaca-se a figura admirável de Joana D'Arc, a grande médium, recusando sempre a renegar as vozes espirituais.

Precursores Imediatos

Numa época mais moderna é que podemos melhor situar a fase precursora do Espiritismo. A diferença entre os fatos desta fase e os fenômenos da "Pré-História", como bem acentua Arthur Conan Doyle, está em que estes últimos episódios eram esporádicos, sem uma seqüência metódica, enquanto aqueles têm a característica de uma "invasão organizada". É nessa época mais moderna que vamos encontrar alguns notáveis antecessores, como o famoso clarividente sueco, Emmanuel Swedenborg, engenheiro militar, insigne teólogo de valioso patrimônio cultural e dotado de largo potencial de forças psíquicas.

Um outro notável precursor foi Andrew Jackson Davis, magnífico sensitivo que viveu entre 1826 e 1910, considerado por Conan Doyle como profeta da Nova Revelação.

Os Fenômenos Hydesville e as Mesas Girantes

Hydesville é uma pequena cidade no interior do estado de Nova Iorque, na América do Norte. Poucas casinhas de madeira, alguns estabelecimentos comerciais e muita calma. Até que transfere-se para lá, no ano de 1846, a família Fox. O primeiro ano da família Fox em Hydesville correu sem incidentes, embora vez por outra, observassem ruídos estranhos à semelhança de "arranhaduras".

Em meados de março de 1848 tais ruídos atingiram proporções gigantescas: pancadas, arrastar de móveis e tremores nas camas. A família estava decidida a mudar-se, quando na noite de 31 de março de 1848 (data que os americanos consideram como de fundação do Espiritismo), a menina Kate de 11 anos decide "interrogar as pancadas".

Diz: "- Senhor Pé Rachado, faça o que eu faço." e bateu 3 palminhas.

Imediatamente ouviu 3 pancadas.

Margarete, sua irmã de 14 anos, achou interessante e disse:

"Agora sou eu; faça assim." E bateu 4 palmas. Quatro pancadas ressoaram.

A partir daí centenas de pessoas foram chamadas a presenciar o fenômeno e, através de um alfabeto, representando as letras através de pancadas, eles descobriram que estavam conversando com um "morto". Chamava-se Charles Rosna, havia sido assassinado naquela casa há 5 anos. Indicou o local onde seu corpo estava enterrado, o que posteriormente foi confirmado.

Os fenômenos de Hydesville, abriram a porta para muitos outros, que levou Conan Doyle a considerá-los

"Como a coisa mais importante que deu a América para o mundo."

Após os acontecimentos de Hydesville, tornou-se "a coqueluche da sociedade francesa", aquilo que ficou conhecido com o nome de Mesas Girantes.

Consistiam em mesas comuns, de madeira, de três pés, onde as pessoas sentavam-se em torno para dialogarem com os Espíritos. Utilizando-se de recursos mediúnicos de uma ou mais das pessoas presentes, as entidades desencarnadas, através de pancadas nas mesas ou movimentos, respondiam inteligentemente às perguntas dos curiosos.

Informam os historiadores que nos anos de 1853 a 1855, as mesas girantes constituíam, em Paris, verdadeiros passatempo, sendo diversão quase obrigatória nas reuniões sociais.

Todavia, ninguém poderia imaginar que dessa brincadeira de salão brotaria o impulso inicial para a Codificação do Espiritismo.

* Trechos retirados do texto 'Allan Kardec e as Obras Básicas', extraído do site Portal do Espírito.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Palestra do dia 14 de fevereiro

0 comentários
Na próxima segunda, dia 14, teremos a palestra "Consegues ir?", ministrada pela convidada Heloísa Helena.

Segue o texto de embasamento:


_____________________________________________________________________________

"Vinde a mim" – Jesus. (Mateus, 11:28.)

_____________________________________________________________________________

O crente escuta o apelo do Mestre, anotando abençoadas consolações. O doutrinador repete-o para comunicar vibrações de conforto espiritual aos ouvintes.

Todos ouvem as palavras do Cristo, as quais insistem para que a mente inquieta e o coração atormentado lhe procurem o regaço refrigerante...

Contudo, se é fácil ouvir e repetir o “vinde a mim” do Senhor, quão difícil é “ir para Ele”!

Aqui, as palavras do Mestre se derramam por vitalizante bálsamo, entretanto, os laços da conveniência imediatista são demasiado fortes; além, assinala-se o convite divino, entre promessas de renovação para a jornada redentora, todavia, o cárcere do desânimo isola o espírito, através de grades resistentes; acolá, o chamamento do Alto ameniza as penas da alma desiludida, mas é quase impraticável a libertação dos impedimentos constituídos por pessoas e coisas, situações e interesses individuais, aparentemente inadiáveis.

Jesus, o nosso Salvador, estende-nos os braços amoráveis e compassivos. Com ele, a vida enriquecer-se-á de valores imperecíveis e à sombra dos seus ensinamentos celestes seguiremos, pelo trabalho santificante, na direção da Pátria Universal...

Todos os crentes registram-lhe o apelo consolador, mas raros se revelam suficientemente valorosos na fé para lhe buscarem a companhia.

Em suma, é muito doce escutar o “vinde a mim...

Entretanto, para falar com verdade, já consegues ir?

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Por que estamos na Terra?

0 comentários
O texto que segue foi retrado do site Momento Espírita. Achei que caberia aqui, também pelo fato de estarmos prester a receber a visita do palestrante Divaldo Franco que trará um seminário abrangendo a temática deste texto. (Ver notícia da vinda do médium aqui).

Aproveitem!


Por que estamos na Terra?

Você já se perguntou, algum dia, por que é que você nasceu? Por que veio ao mundo?

Cada um de nós traz uma missão para cumprir. Existem aqueles que logo a descobrem e se esmeram no cumprimento dela.

São os gênios, que cedo despertam e atraem para si os olhos do mundo: pintores, músicos, literatos, homens de ciência.

Outros demoram um tempo mais longo para se darem conta do que devem fazer. Alguns nunca chegam a descobrir que nasceram para realizar algo especial.

Esse algo especial pode ser se tornar pai, ou mãe, ter filhos, educá-los, transformando-os em homens de bem.

Quando, por exemplo, assistimos a um espetáculo musical e nos encantamos com a voz de uma cantora, já não nos ocorreu pensar em quem são seus pais? Como a educaram?

Terão percebido, desde cedo, o maravilhoso dom da filha e se esmeraram em lhe propiciar as melhores oportunidades para desenvolvê-lo?

E, concluímos: eles cumpriram sua missão. Aí está sua filha, emocionando corações, enchendo de sons o mundo, encantando plateias, com sua extraordinária voz.

Quando lemos trabalhos científicos ou filosóficos e nos admiramos com o saber ali contido, fruto de mentes de valor, pensamos em que essas criaturas vieram ao mundo para o tornarem melhor.

E estão cumprindo a sua missão, espalhando, com suas teses, suas teorias, seus escritos, suas conferências, as boas ideias, auxiliando a construir o homem renovado. Auxiliando-o a viver melhor.

Quando descobrimos um professor dedicado ao ensino, muito além do dever, pensamos: essa deve ser sua missão!

E como ele a está cumprindo, com honra!

Então, em certos dias, olhamos para nós mesmos, analisamos os anos vividos, os que nos faltam ainda a vencer e nos indagamos: Afinal, porque eu nasci?

Nada fiz ou faço de excepcional. Tenho um diploma, um emprego, sustento-me. Mas, por que estou aqui?

Nada faço que possa melhorar a vida de alguém. Não sou excepcional em nada. Talvez, até, não passe da média.

É nesses momentos que nos devemos recordar de um jovem apaixonado pela verdade que defendia.

Ele crescera, preparando-se para assumir um posto de destaque entre os seus. Seria um rabino. Em verdade, substituto do grande e respeitado Gamaliel.

Contudo, um dia, recebeu um chamado especial. Ele não saberia definir se a voz vinha de fora ou se soava dentro do seu coração.

Mas foi o suficiente para o jovem Saulo indagar: Senhor, que queres que eu faça?

E dali em diante, tornou-se a vontade do suave Pastor na Terra ao ponto de, em determinado momento de sua vida, assim se expressar:

Já não sou quem vive. É o Cristo que vive em mim.

À semelhança do jovem de Tarso, é bom meditemos, vez ou outra, nos indagando: Por que eu estou aqui? Que devo fazer?

E se permitir ouvir a resposta.

Logo identificaremos que temos algo muito importante a fazer: crescer, progredir, melhorarmo-nos.

E, realizando essa proeza, a cada dia, verificaremos que estaremos colaborando para a implantação mais breve do mundo renovado.

Um mundo de paz, de bênçãos, de trabalho, de harmonia.

Pensemos nisso.



Redação do Momento Espírita.
Em 31.01.2011.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Palestra do dia 07 de fevereiro

0 comentários
Na próxima segunda, dia 07, teremos a palestra "Cada qual", ministrada pela Rosária.
Segue o texto de embasamento:

_____________________________________________________________________________
“Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.” – Paulo. (1ª Epístola aos Coríntios, 12:4.)
_____________________________________________________________________________

Em todos os lugares e posições, cada qual pode revelar qualidades divinas para a edificação de quantos com ele convivem.

Aprender e ensinar constituem tarefas de cada hora, para que colaboremos no engrandecimento do tesouro comum de sabedoria e de amor.

Quem administra, mais freqüentemente pode expressar a justiça e a magnanimidade.

Quem obedece, dispõe de recursos mais amplos para demonstrar o dever bem cumprido.

O rico, mais que os outros, pode multiplicar o trabalho e dividir as bênçãos.

O pobre, com mais largueza, pode amealhar a fortuna da esperança e da dignidade.

O forte, mais facilmente, pode ser generoso, a todo instante.

O fraco, sem maiores embaraços, pode mostrar-se humilde, em quaisquer ocasiões.

O sábio, com dilatados cabedais, pode ajudar a todos, renovando o pensamento geral para o bem.

O aprendiz, com oportunidades multiplicadas, pode distribuir sempre a riqueza da boa-vontade.

O são, comumente, pode projetar a caridade em todas as direções.

O doente, com mais segurança, pode plasmar as lições da paciência no ânimo geral.

Os dons diferem, a inteligência se caracteriza por diversos graus, o merecimento apresenta valores múltiplos, a capacidade é fruto do esforço de cada um, mas o Espírito Divino que sustenta as criaturas é substancialmente o mesmo.

Todos somos suscetíveis de realizar muito, na esfera de trabalho em que nos encontramos.

Repara a posição em que te situas e atende aos imperativos do Infinito Bem. Coloca a Vontade Divina acima de teus desejos, e a Vontade Divina te aproveitará.

Programação dos 100 anos do Centro Espírita Cuiabá

0 comentários
Como já noticiado, o Centro Espírita Cuiabá (CEC), está comemorando 100 anos de existência. (Veja aqui). Evidenciando a importância da data, o médium Divaldo Pereira Franco fará uma participação nos dias que serão destinados a homenagear um dos mais antigos centros espíritas do Estado (Confiram mais detalhes da vinda do médium aqui).

Na grade de eventos que irão celebrar o centenário constam apresentações culturais e palestras. Confiram a programação:

12/02/2011, 20h: Conferência Pública Com o orador Espírita Divaldo Pereira Franco. Lançamento da Edição Comemorativa de OLE e OESE.
Local: Centro de Eventos do Pantanal

14/02/11, 20h: Grupo de Canto Arco-íris
Palestra: Gratidão ao Centro Espírita Cuiabá, ministrada por Marina Muller

16/02/11, 16h: Grupo de canto Vozes da Alegria
Palestra: Centro Espírita Cuiabá: Educandário de Luz, ministrada por Celma Lúcia Rocha

18/02/11, 20h: Grupo de canto Arco-íris
Palestra: Tributo aos Trabalhadores da Primeira Hora do Centro Espírita Cuibá, ministrada por Eleonora Cardoso

19/02/11, 20h: Grupo de canto Além da Voz
Palestra: O Papel do Centro Espírita Cuiabá na Sociedade: Ontem e Hoje, ministrada por Pedro Piloni

20/02/11, 9h: Grupo de canto Além da Voz
Palestra: Centro Espírita Cuiabá: Sua Origem e sua História, ministrada por Cristina Piloni

Os encontros dos dias 14 ao 20/02 serão na sede do Centro Espírita Cuiabá

24/02/2011, 19h30: Conferência Pública com o Presidente da FEB Nestor João Masotti. Lançamento do Livro Sobre a História do Centro: “Centro Espírita Cuiabá 1911 – 2011 – Cem anos iluminando consciências”.

25 e 26/02/2011, 20h: Apresentação da peça teatral “Centro Espírita Cuiabá, cem anos” com o Grupo de Teatro Além da Cena, sob a direção da Soraia de Fátima Martins Teodoro.
Local: Teatro Da Universidade Federal De Mato Grosso

Um pouco de história:* O Centro Espírita Cuiabá (CEC), originariamente denominado como Centro Espírita de Cuyabá, foi fundado em 24 de fevereiro de 1911, em Cuiabá, por um grupo de estudiosos do Espiritismo. Porém, o seu embrião foi formado 1906, na residência do senhor Rafael Verlangieri que, estimulado por Manuel Vianna de Carvalho e por Otaviano Pitaluga iniciou, juntamente com outros companheiros, as primeiras reuniões do Centro Espírita de Cuyabá.

O CEC foi o sexto Centro Espírita a surgir no Estado de Mato Grosso e o terceiro a ser fundado em Cuiabá. Resistindo às intempéries, por ter suas bases alicerçadas na rocha dos valores morais de seus fundadores, tornou-se uma Instituição centenária. No decorrer da sua história, favoreceu o surgimento de vários outros Centros Espíritas e, também, da própria Federação Espírita do Estado de Mato Grosso – FEEMT.

Os registros de parte da sua história podem ser encontrados na obra “Centro Espírita Cuiabá: 1911 – 2011 – Cem Anos Iluminando Consciências”, da jornalista e trabalhadora do Centro Espírita Cuiabá Maria Cristina de Carvalho Sousa Lima Piloni, Editora Entrelinhas, que será lançado nos dias da comemoração do centenário.

* Informações obtidas no site do CEC (www.centroespiritacuiaba.com.br).