Blogger templates

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Os 8 melhores filmes espíritas nacionais

0 comentários
Nos últimos 10 anos a doutrina espírita ganhou força nas telas do cinema brasileiro. Diversas obras psicografadas e médiuns influentes foram retratados em tramas, muitas vezes com um elenco bastante conhecido por novelas da TV brasileira.

O Notícia Espírita fez uma lista de 8 produções nacionais imperdíveis sobre o espiritismo. Confira

1- Nosso Lar (2010)
Direção de Wagner de Assis

Considerado o filme mais representativo da doutrina espírita, "Nosso Lar", em sua exibição em 2010, foi a segunda melhor estreia do cinema nacional desde 1995 em termos de público. Perdendo somente para a outra trama espírita, a 'Chico Xavier', que levou 585.560 pessoas aos cinemas em seu fim de semana de estreia.

No filme, um famoso médico acorda no mundo espiritual e vai viver numa colônia que paira sobre a Terra, onde terá que aprender novos valores morais e vencer a saudade da família na Terra.

2- Chico Xavier (2010)
Direção de Daniel Filho

Chico Xavier é uma adaptação para o cinema que descreve a trajetória do médium Chico Xavier, que viveu 92 anos desenvolvendo importante atividade mediúnica e filantrópica. Vida conturbada, com lutas e amor. Seus mais de 400 livros psicografados, consolaram, pregaram a paz e estimularam caridade. Fênomeno? Fraude? Os Espiritos existem? Para os admiradores mais fervorosos, foi um santo. Para os descrentes, no mínimo, um personagem intrigante.


3 – A data limite de Chico Xavier (2014)
Documentário

Especialistas em ufologia afirmam que após a explosão das bombas de Hiroshima e Nagasaki, houve um aumento considerável no número de avistamentos de OVNIs (Objetos voadores não identificados) em todo o mundo.

Pouco mais de duas décadas depois, o médium brasileiro Chico Xavier confidenciava aos companheiros mais próximos que, por ocasião da chegada do homem à Lua em 20 de julho de 1969, acontecera uma reunião com as potências celestes de nosso sistema solar para verificar o avanço da sociedade terrena. Decidiram pois, conceder à humanidade um prazo de 50 anos para que evoluísse moralmente e convivesse em paz, sem provocar uma terceira guerra mundial.

Se assim convivesse até a Data Limite, a humanidade estaria, a partir de então, pronta para entrar numa nova era de sua existência, e feitos magníficos seriam verificados por toda a parte, inclusive os nossos irmãos de outros planetas estariam autorizados expressamente a se apresentarem pública e oficialmente para os habitantes da Terra.

4 – Bezerra de Menezes: O Diário de um Espírito (2008)
Direção de Glauber filho e Joe Pimentel

O universo sertanejo permeia a trama dessa cine-biografia de Bezerra de Menezes desde sua infância, passando pela adolescência até a vida adulta. Aos dezoito anos, o protagonista inicia no Rio de Janeiro seus estudos de medicina. Na então Capital da República, elegeu-se vereador e deputado em várias legislaturas e defendeu as idéias abolicionistas. Mas o que lhe trouxe o maior reconhecimento de seu povo foi o trabalho anônimo realizado em prol dos desfavorecidos. Por conta disso, ficou conhecido como o “Médico dos Pobres”. Seja como político devotado às causas humanitárias ou como médico conhecido por jamais negar socorro a quem batesse à sua porta, Bezerra de Menezes tornou-se um exemplo de homem e escreveu uma história de vida marcada pelo amor e pela caridade.


5 – O filme dos espíritos (2011)
Direção de André Marouço e Michel Dubret

O filme conta a história de Bruno Alves que, por volta dos 40 anos, perde a mulher e se vê completamente abalado. A perda do emprego se soma à sua profunda tristeza e o suicídio lhe parece a única saída. Nesse momento, ele entra em contato com O Livro dos Espíritos, obra basilar da doutrina espírita. Há também uma dedicatória no exemplar: “esta obra salvou-me a vida. Leia-a com atenção e tenha bom proveito.” A partir daí, o protagonista da história começa uma jornada de transformação interior rumo aos mistérios da vida espiritual.

6 – Causa e Efeito (2014)
Direção de André Marouço

O filme é um drama espírita que conta a história de Paulo, um policial que tinha uma vida tranquila até que um motorista alcoolizado atropela e mata sua esposa e filho. O motorista não é preso e revoltado Paulo torna-se justiceiro. Contratado para dar fim a uma garota de programa chamada Madalena, ele se sensibiliza com a história dela e coloca-se em fuga com a moça. Na fuga, o casal se apaixona e juntos reajustam suas condutas de vida, auxiliados por um trio de religiosos: um padre, um pastor e um espírita. Ao longo da trama os protagonistas alcançam o amor, a paz e a iluminação.

7 – As Cartas Psicografadas por Chico Xavier
Documentário | Direção de Cristiana Grumbach

As cartas psicografadas por Chico Xavier é um filme de conversas e silêncio. Mães e pais que perderam filhos, procuraram Chico, receberam cartas. Sentimentos, lembranças, imagens da falta de alguém. A procura por alento para a dor sem nome. As palavras chegam em papel manuscrito. As cartas são lidas. Sobreviver a isso, viver ainda assim. As cartas são os elos entre mães e filhos, entre Chico e essas mães e seus filhos, entre o público e o filme.

8 - Joelma, 23º ANDAR 
Direção de Clery Cunha

Considerado o primeiro filme espírita brasileiro, “Joelma, 23º Andar” também foi baseado na obra de Chico Xavier e conta a tragédia do edifício, que dá nome ao filme, que pegou fogo e matou 191 pessoas. Lucimar, personagem principal vivida por Beth Goulart, morreu no incêndio. Mas sua mãe não aceita a morte e acaba procurando o famoso médium para saber se a filha está bem.

Texto publicada no site Notícia Espírita

Mercado de livros espíritas cresce 85% em uma década

0 comentários
Livrarias, lojas de conveniência, restaurantes à beira da estrada, catálogos de produtos, bancas de revistas e e-commerce. Os livros espíritas ganharam espaço e visibilidade fora das casas dedicadas ao Espiritismo. Esse boom do mercado editorial religioso caminha na contramão da crise e traz um fôlego às editoras. Na última década houve um crescimento em torno de 85% no volume de livros e audiovisuais espíritas comercializados.

Além do salto quantitativo, o mercado qualificou-se alcançando novas e mais elaboradas vias de comercialização, ou seja, deixou de ser um produto restrito às casas espíritas. Há ressalvas, porém, quanto a títulos que realmente estejam alinhados aos preceitos da doutrina codificada por Allan Kardec e que arrebanha 3,8 milhões de seguidores no Brasil, segundo o último censo do IBGE.

O pesquisador Ivan Franzolim, autor da obra “Análise do Mercado Editorial Espírita”, calcula que são mais de cinco mil títulos e que houve um aumento das editoras que publicam os livros espíritas. “Isso é bom e é ruim. É bom porque proporciona maior divulgação da doutrina. É ruim porque as editoras selecionam as obras pela capacidade de venda e não pelo conteúdo doutrinário. Assim, muitas obras apresentam ideias e raciocínios que conflitam com o conhecimento espírita das obras de Allan Kardec”, destaca.

A procura por títulos espíritas se dá pelo interesse das pessoas sobre o sobrenatural, a vida espiritual e a morte. A literatura espírita reúne contos, romances, estudos, meditações e preces. Segundo levantamento do Grupo Candeia, que possui uma das maiores distribuidoras de livros do gênero do País, os leitores são predominantemente mulheres (63%), na faixa etária de 30 a 65 anos.

Depois dos romances, as psicografias são as preferidas. São narrativas transmitidas pelos espíritos por meio de um médium. A região que concentra mais leitores de livros do gênero é a Sudeste, compreendendo 66% do consumo, seguida pelo Nordeste (13%) e Sul (12%). Ricardo Pinfildi, à frente da Candeia, explica que nestes 20 anos de atividade distribui títulos espíritas de mais de 150 editoras. “O resultado desse crescente interesse tem fomentado cada vez mais novas produções espíritas”, destaca.

Controle editorial

O controle da idoneidade das obras, especialmente das psicografias, se baseia em atos isolados das próprias editoras. A Petit Editora, por exemplo, é bastante rigorosa quanto aos livros que publica, possui um manual de orientação aos autores de livros espíritas e o material passa pelo crivo de avaliadores doutrinários. A justificativa é clara e se baseia na segurança de ter um conteúdo fiel aos princípios do Espiritismo. O escritor Ivan Franzolim explica que não existe um controle. “As editoras mais conscienciosas enviam para avaliação uma obra nova a pessoas habilitadas a um parecer doutrinário.”

O famoso escritor espírita, Divaldo Pereira Franco, chegou a comentar certa vez que a enxurrada de obras espíritas sem fundamentação doutrinária tem vulgarizado o propósito desse tipo de publicação. “Entra agora uma coisa que é profundamente perturbadora: o interesse comercial. Vender o livro sob a justificativa de que as Casas Espíritas necessitam de recursos. Para atender as necessidades, vendem obras de autoajuda, de esoterismo, de outras doutrinas, quando deveríamos cuidar de divulgar as obras do Espiritismo, tendo um critério de coerência”, diz ele. Este trecho foi extraído do livro “Conversando com Divaldo Pereira Franco”.

10 títulos espíritas mais vendidos do século:
1º “Nosso Lar” Francisco C. Xavier (médium) – André Luiz (Espírito)

2º Paulo e Estêvão | Francisco C. Xavier (médium) – Emmanuel (Espírito)

3º Parnaso de Além Túmulo | Francisco C. Xavier (médium) – Espíritos diversos

4º O Problema do Ser, do Destino e da Dor | Léon Denis

5º Memórias de um Suicida | Yvonne A. Pereira (médium) – Camilo Castelo Branco (Espírito)

6º A Caminho da Luz | Francisco C. Xavier (médium) – Emmanuel (Espírito)

7º O Espírito e o Tempo | José Herculano Pires

8º Há 2000 anos… | Francisco C. Xavier (médium) – Emmanuel (Espírito)

9º Evolução em Dois Mundos | Francisco C. Xavier e Waldo Vieira (médiuns) – André Luiz (Espírito)

10º Missionários da Luz | Chico Xavier (médium) – André Luiz (Espírito)

Matéria publicada no site do jornal O Liberal

Por que falamos mal uns dos outros? – Sem Dúvida

0 comentários
Por que falamos mal uns dos outros? 

Será que é porque não estamos evoluídos moralmente? 

Como podemos enxergar o bem nas pessoas? 

Confira a resposta de Jether Jacomini Filho no Sem Dúvida do site TV Mundo Maior.


Matrimônio verdadeiro

0 comentários
Nos dias atuais, muitas são as pessoas que se manifestam contra a disposição de se casar. Dizem ser esse passo muito complicado.

Alguns filhos, com mais de três décadas de vida, prosseguem no lar paterno, sem vontade de formarem sua própria família, terem seu lar.

Justificam, dizendo ter medo de serem infelizes. Isso porque observam parentes e amigos que, tendo se casado, com o propósito de felicidade, cedo se divorciaram.

Outros demonstram uma situação de acomodação. Preferem investir na profissão, na carreira, com exclusividade, dizendo que não há lugar, em suas vidas, para compromissos de ordem familiar.

Muitos idealizam sua vida entre trabalho, estabilidade financeira e lazer, com viagens pelo mundo.

Ao refletir sobre isso, lembramos que lemos, recentemente, manifestação de um líder religioso que nos convida a observarmos que o amor que se fundamenta na família é um amor para sempre.

Isso é um fato, pois o amor que se constrói nas lutas do dia a dia se torna sólido.

O papa Francisco nos convida a construir os sentimentos sobre a rocha do amor verdadeiro, do amor que vem de Deus.

Porque o amor construído sobre as areias da ilusão se desfaz, até mesmo com a brisa que sopra.

Convida-nos a aprender a arte de vivermos juntos, porque isso é um desafio que nos faz crescer.

Crescer em solidariedade, em paciência, em resignação, em doação.

Crescer como seres humanos em evolução.

E ele conclui: O matrimônio é um trabalho de ourivesaria que se constrói todos os dias ao longo da vida.

O marido ajuda a esposa a amadurecer como mulher, e a esposa ajuda o marido a amadurecer como homem.

Os dois crescem em humanidade, e esta é a principal herança que deixam aos filhos.

É evidente para um bom observador: quando marido e mulher colaboram no crescimento mútuo, a família se une, e todos crescem em harmonia, amor e alegria.

É na convivência diária, enfrentando amores e dissabores, que aprendemos a auxiliar e a perdoar.

É na dedicação e doação nos momentos difíceis que nos desapegamos da força do egoísmo e nos tornamos solidários.

É na renúncia de desejos e vontades pessoais, em prol de realizações do par, que valorizamos o sentimento de amor.

É no silêncio mantido em momentos de desabafos exaltados do outro, que cultivamos a paciência.

É na economia da receita financeira que aprendemos a ser precavidos e a eleger prioridades.

É na cortesia e gentileza de palavras mágicas como Obrigado, Por favor, Desculpe, que desabam as nuvens dos desentendimentos.

Afinal, não existe uma família perfeita, nem o marido, a esposa ou filhos perfeitos. Todos nos encontramos a caminho da angelitude mas, por enquanto, ainda estagiamos no estado de humanidade.

Por fim, importante lembrarmos de trazer Deus e Jesus para nossos lares, mantendo contato diário pela prece.

Orarmos juntos, rogando pela nossa união, pela nossa família.

Ensinar nossos pequenos, desde o berço, a essa sadia convivência nos garantirá a paz, o amor e a paciência para crescermos em amor e sabedoria.

Redação do Momento Espírita, com transcrição de frases do Papa Francisco. Em 28.1.2017.

Palestra do dia 30/01/2017 - O futuro na visão espírita

0 comentários
Nesta última segunda-feira do mês, dia 30, receberemos um convidado para ministrar as reflexões da noite.

Marcel Modesto, que frequenta o Centro Espírita Laços da Eternidade (CELE), em Cuiabá, nos presenteia com a palestra 'O futuro na visão espírita'.

Sem querer estragar a surpresa da palestra, Marcelo pouco nos adiantou sobre o tema. Assim, para iniciarmos nossa reflexão posto aqui um texto que o Blog Visão Espírita publicou, em 28 de setembro de 2010, e aborda justamente o tema da palestra:

Conhecimento do Futuro

Encontramos ainda muitas pessoas interessadas no conhecimento do futuro. Muitos creem que a existência física é regida por um determinismo ou fatalidade irrevogável, e que, independentemente de como agirmos, ninguém escapará do destino que lhe está reservado.

Na tentativa de prever o futuro, a Humanidade se vale de inúmeros recursos: adivinhos, tarô, astrologia, ciência, etc. Como não podia deixar de ser, os Espíritos também são consultados na tentativa de obter revelações do futuro.

Ensina o Espiritismo que a fatalidade existe unicamente pela escolha que o Espírito faz, ao encarnar, desta ou daquela prova física. Por conseguinte, não se pode dizer que tudo já está predeterminado em nossas vidas. Assim fosse, seríamos meros autômatos e de nada adiantaria nosso esforço para nos melhorar, de forma que tanto o que fizesse o bem, quanto o que fizesse o mal, teriam a mesma compensação ou o mesmo futuro, o que estaria em desacordo com a Justiça Divina incorruptível.

A fatalidade a que todos estamos submetidos, sem exceção, é a morte física: chegado esse momento, de uma forma ou de outra, dela não podemos nos esquivar. Muito ainda precisa ser estudado sobre a previsão do futuro, contudo, não se deve perder de vista que prever o futuro só se faz necessário devido à incapacidade de controlá-lo. Na impossibilidade de controlar a Natureza, busca-se prever os eventos futuros, de forma a estar preparado para o amanhã.

O Espírito que busca o domínio de si mesmo, que se esforça no sentido de domar suas más tendências e de ter todos os seus atos dedicados a Deus, não precisa prever o seu futuro, pois sabe que graças à Lei de Causa_e_Efeito tudo o que viverá será conseqüência de seus bons atos. Aqueles que atuam no bem se valerão dos recursos de previsão do futuro como uma ferramenta para aumentar sua capacidade de fazer o bem. A Natureza foi muito sábia no-lo escondendo.

Conta-se que Francisco de Assis, estava tratando de seu jardim, quando um amigo se aproximou, perguntando-lhe: – Francisco, o que você faria se soubesse que iria morrer hoje? Ao que ele teria respondido, com a maior naturalidade: – Continuaria a fazer o que estou fazendo: cuidando do meu jardim! Será que nós, diante de um pressentimento sombrio ou ditoso, cultivaríamos a mesma serenidade de um Francisco de Assis?

 Se soubéssemos, antecipadamente, o fim de cada coisa, ninguém duvide que a harmonia geral com isso sofreria. Um futuro feliz assegurado tiraria do homem toda atividade, uma vez que não teria necessidade de nenhum esforço para chegar ao objetivo que se propôs: seu bem-estar; todas as forças físicas e morais seriam paralisadas, e a marcha progressiva da Humanidade seria detida. A certeza da infelicidade teria as mesmas conseqüências pelo efeito do desencorajamento; todos renunciariam lutar contra o decreto definitivo do destino. 

O conhecimento absoluto do futuro seria, pois, um presente funesto que nos conduziria ao dogma da fatalidade. É a incerteza, do momento de nosso fim neste mundo que nos faz trabalhar até a última batida de nosso coração. O conhecimento do futuro é conquista somente de Espíritos elevados. A eles interessa e muito o nosso futuro, razão pela qual cuidam de influenciar o nosso presente, aconselhando-nos, orientando-nos através dos ensinamentos que ministram. É que não tendo, a maioria, a maturidade suficiente para agir com independência, suas ações apaixonadas, o fariam negligenciar o seu progresso. Contudo, Deus permite, com as Leis Naturais, que as coisas se revelem ao seu tempo, dando-lhes, por misericórdia, a oportunidade de crescerem na mesma medida que se desenvolvem os atributos morais e intelectuais. Ao mesmo tempo, quer Ele que desenvolvamos o nosso livre-arbítrio na medida em que ultrapassamos as provas impostas pelas escolhas que fizemos. É para nós uma ferramenta de progresso.

O Espiritismo não veio para tratar de assuntos dessa natureza. É uma doutrina que visa reformar o homem através do cumprimento dos ensinos legados por Jesus, agora interpretados à sua luz. Portanto, quem quiser saber o que lhe acontecerá no futuro prepare-se, desde já, praticando o bem sem olhar a quem, porque o futuro é uma decorrência do presente, assim como o presente o é do passado.

868- O futuro pode ser revelado ao homem?
Em princípio, o futuro lhe é oculto e não é senão em casos raros e excepcionais que Deus permite a revelação.

869- Com que objetivo o futuro está oculto ao homem?
Se o homem conhecesse o futuro, negligenciaria o presente e não agiria com a mesma liberdade, porque seria dominado pelo pensamento de que, se uma coisa deve acontecer, não tem que se ocupar dela, ou então, procuraria dificultá-la. Deus não quis que fosse assim, a fim de que cada um concorresse para a realização das coisas, mesmo às quais gostaria de se opor. Assim, tu mesmo, freqüentemente, preparas, sem desconfiar disso, os acontecimentos que sobrevirão no curso da tua vida.

870- Visto que é útil que o futuro seja desconhecido, por que Deus, algumas vezes, permite a sua revelação?
Ele o permite quando esse conhecimento prévio deve facilitar a realização da coisa em lugar de dificultá-la, obrigando a agir de modo diverso do que se faria sem esse conhecimento. Aliás, freqüentemente, é uma prova. A perspectiva de um acontecimento pode despertar pensamentos mais ou menos bons; por exemplo, se um homem deve saber que receberá uma herança, com a qual não conta, poderá ser solicitado por sentimento de cupidez, pela alegria de aumentar, seus gozos terrestres, pelo desejo de possuir mais cedo, talvez, desejando a morte daquele que deve deixar-lhe a fortuna. Ou, então, essa perspectiva despertará nele bons sentimentos e pensamentos generosos. Se a predição não se cumpre, é uma outra prova: a da maneira pela qual se suportará a decepção. Mas não lhe será menor; por isso. O mérito ou o demérito dos pensamentos bons ou maus que a crença no acontecimento fez nele nascer.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Lançamentos na literatura espírita

0 comentários
Vá em frente!
De Zíbia Gasparetto
Editora - VIDA & CONSCIÊNCIA

Seleção de artigos inspiradores, que abordam temas variados sob a ótica da espiritualidade e que incentivam valiosas reflexões, ajudando-nos a superar melhor os desafios do dia a dia. Nesta obra, Zibia ensina que, para que a vida mude, é preciso acreditar no melhor e colocar-se em primeiro lugar, cultivando sempre a fé e a esperança. É preciso sair da mesmice, aceitar as mudanças necessárias e ousar, pois o momento é de urgência e união.
Preço médio: R$ 15,00


A Dor, a Luta e o Recomeço
De Carlos Bernanrdo Loureiro
Editora - MENTE ABERTA
Não há efeito sem causa. Entretanto, a dor é uma lei de equilíbrio e educação. Como explica Léon Denis, o sofrimento, sendo partilha de todos, deve ser avaliado como necessidade comum geral, um verdadeiro agente de desenvolvimento e progresso. Todos os seres têm de, por sua vez, vivenciá-lo. Sua ação é benfazeja para quem sabe compreendê-lo. Este trabalho reúne relatos de casos que têm como fundamento os graves problemas vivenciados pelo espírito neste plano de provas e expiações. Histórias de espíritos que lutaram e alcançaram, de alguma forma, a redenção.
Preço médio: R$ 20,00

Minha Amiga, Joanna de Ângelis
De Luis Hu Rivas
Editora - LEAL
Uma superaventura vai começar! Viaje ao longo dos séculos e aprenda as amorosas lições do evangelho de Jesus com a veneranda Joanna de Ângelis e seus amigos. Além de grandes ensinamentos contém jogos, atividades e quebra-cabeça.
Preço médio: R$ 28,00

Revista Espiritismo Kids - N° 12
De Luis Hu Rivas
Editora - BOA NOVA
Existem videntes? Posso contar aquela mentirinha? Lupi quer encontrar sua mãe e precisa da ajuda de André Luiz. E agora? Análise do filme Procurando Dory e entrevista com Magali Spada, a filha de Maurício de Souza que inspirou a personagem Magali, da turma da Mônica! Contém ainda diversas atividades como jogos, piadas, dicas de livros e gibis, abordando de maneira didática os ensinamentos do espiritismo.

Um Sacerdote Espírita - Reflexões sobre Padre Germano
De Amalia Domingo Soler / Orson Peter Carrara
Editora - IDE
Orson Peter Carrara analisa a obra Memórias do Padre Germano, apresentando valiosas reflexões sobre a vida e as experiências deste grande missionário. Germano, abandonado na infância, tornou-se padre, porém, além de possuir a convicção de continuidade da vida após a morte do corpo físico, acreditava na existência de outras encarnações, como oportunidade de aprendizado e redenção dos erros. Ele questionava e sabia diferenciar o que realmente era importante e grandioso. E não teve medo: enfrentou sua época, tanto para salvar vidas como para ensinar o amor, com o suor de seu trabalho e sua profunda mediunidade, em um tempo que pouco se conhecia sobre o espiritismo. Germano conseguiu transformar homens que eram tidos como sem salvação. As histórias do padre foram vividas em outra época, mas a atualidade de seus ensinamentos é impressionante e seu exemplo é eterno.
Preço médio: R$ 26,00

Lista publicada no site da revista O Consolador, em Livros - Lançamentos
Ano 10 - N° 500 - 22 de Janeiro de 2017, por JOSÉ CARLOS MUNHOZ PINTO
(josecarlos@oconsolador.com.br)

Cuidar do que pensamos é, como a prece, fundamental

0 comentários
“O fato final, porém, é que os pensamentos, a potencialidade da alma alcançada pelo esforço e experiência, determinam o ambiente próprio em que o ser se movimenta.” (Orson Peter Carrara, no artigo Campo Magnético, matéria especial publicada nesta edição.)

É desse modo que atraímos para nós as companhias que nos são simpáticas e que são testemunhas de nosso comportamento.

Quando buscamos seguir o bem de nossos semelhantes, tornamo-nos um foco que irradia boas vibrações em favor daqueles necessitados que vêm ter conosco, improvisando assim auxílio sem que percebamos.

“A prece, a meditação elevada, o pensamento edificante refundem a atmosfera, purificando-a. (...) O pensamento elevado santifica a atmosfera em torno e possui propriedades elétricas que o homem comum está longe de imaginar.” (André Luiz, Missionários da luz, cap. 5.)

“Infelizmente, ainda, porém, usamos essa força que trazemos em nós nas manipulações de bastidores, no desejo de controle sobre os outros, na tola ilusão da permanência em cargos ou posses – como se fôssemos donos de algo –, no desespero centralizador ou nas arrogâncias da vaidade, realizando os prodígios contrários que a fraternidade e a Lei de Progresso propõem com tanta clareza...” (Orson Peter Carrara, no artigo citado.)

O carisma, que atrai para si a simpatia de muitos, é um efeito magnético de grande responsabilidade, porque cria uma vinculação entre os seres, vinculação que está muito além da simpatia fortuita. Somos influenciados pela adesão ao campo intuitivo que se caracteriza pela coerção contundente caracterizada pelo carisma.

Somos responsáveis pelos pensamentos que emitimos. Parafraseando o Senhor, seremos julgados por cada pensamento vicioso que emitirmos (Mateus 12:36-37).

Como sabemos, as repercussões dos nossos pensamentos formam uma teia de interações vinculando todos os seres que comungam dos mesmos interesses.

Se nos deixamos influenciar pelo mal, seremos parte de uma legião de Espíritos impuros que alimentarão nossos desejos.

Se o símile acontecer para o bem, estaremos fazendo parte de uma plêiade de trabalhadores comprometidos com o amor de Jesus.

“É pela aplicação desta fabulosa possibilidade que agem os espíritos protetores – na manipulação fluídica em favor do homem – utilizando-se dos próprios homens na produção de fenômenos inesperados ou direcionando inúmeros fatos que despertem o homem dessa sonolência espiritual em que muitos ainda nos vinculamos.” (Orson Peter Carrara.)

Quando realizamos o culto evangélico no lar, o ambiente fica saturado de fluidos eletricamente manipulados, sendo que os assistentes que tenham a intenção do bem se tornam uma espécie de dínamos de energias salutares usadas no socorro e sustento dos Espíritos conduzidos à reunião, sem que os membros do grupo familiar percebam.

O campo intuitivo é responsável pela conexão com nossos protetores. A chamada voz da consciência é o resultado de nossa interação com os mensageiros que são nossos tutores. A inspiração, influência menos ostensiva que a intuição e caracterizada pela espontaneidade, é o veículo das comunicações veladas que só o exame de nossos sentimentos, ideias e palavras pode caracterizar.

De modo geral, os Espíritos que se valem do processo da inspiração são Espíritos familiares e protetores, o que não impede que sejamos inspirados por Espíritos entregues ao mal, como Allan Kardec nos ensina na obra O Livro dos Médiuns, cap. XV, item 182, o que reforça a ideia de que a vigilância dos nossos pensamentos, tanto quanto a prece, é fundamental em nossa vida. 

Texto publicado no site da revista O Consolador, em Editorial, Ano 10 - N° 500 - 22 de Janeiro de 2017

O perdão não estimula as pessoas a permanecerem no erro?

0 comentários
No site Ser Espírita os organizadores abriram espaço para recepcionar perguntas pertinentes à doutrina. A coluna destinada a responder essas questões é 'Pergunta do dia'.

Lendo o site notei esta pergunta, do título, e achei muito interessante. Acho que alguma vez já passou na cabeço de todos essa mesma questão. Claro que a resposta n[os já sabemos, mas a explicação, o argumento é interessante e frisa isso dentro de nós... Assim, resolvi postar a resposta que o site publicou:

O PERDÃO NÃO ESTIMULA AS PESSOAS A PERMANECEREM NO ERRO?
Será que não é o contrário? Houve um tempo em que a punição das ofensas era absurdamente desproporcional. Havia punições como cortar a mão de quem, no desespero da fome, furtava um pão. Em torno de 1800 antes de Cristo, um rei babilônico chamado Hamurabi promulgou um código de leis, em que preponderava o chamado princípio de talião, o conhecido ‘olho por olho, dente por dente’. 

Era uma tentativa ainda rudimentar de justiça, onde a punição deveria ser exatamente igual ao crime. Com o passar do tempo, verificou-se que essa regra somente incitava mais violência e não resolvia problema algum. O exemplo de Jesus é de um perdão incondicional, que assim foi aplicado por Gandhi há algumas décadas: ‘Se seguirmos a lei do olho por olho acabaremos todos cegos’.

Acalme-se

0 comentários
Os dias podem estar sendo difíceis, mas acalme-se reaja não desanime, muitos irmãos neste momento estão em situações difíceis iguais ou piores e continuam acreditando que tudo vai dar certo.

Tenha confiança em seu potencial de superação, todos nós indistintamente somos providos do amor de Deus, somos irmãos e que nada vai nos faltar diante de nossas lutas que são muitas, a ajuda sempre chega e nos conforta o coração.

Acalme-se, faça uma prece eleve seu pensamento ao Alto e confie.

Não esmoreça continue fazendo sua parte sempre, mesmo achando que está fazendo pouco ou acredite de que não é mais capaz de lutar, mesmo assim reaja lute não desista.

Lembremos que todas as lutas sem exceção não são em vão, nos fortalece e nos eleva espiritualmente porque somos agraciados pelo aprendizado.

Confie, siga adiante todos somos capazes, pode acreditar!

Texto publicado no site Gotas de Paz

Separações afetivas

0 comentários
Aumenta, consideravelmente, em nossa cultura, a separação conjugal, a desunião matrimonial, a indiferença no relacionamento afetivo.

A solidão toma conta das criaturas tornando-as fantasmas atormentados.

Os sonhos de uma afetividade repleta de bênçãos, constituindo uma família harmônica, cedem lugar a verdadeiros combates domésticos, que culminam em separações lamentáveis.

As facilidades de relacionamentos sexuais descomprometidos, a ausência de pudor que predomina em quase todas as esferas sociais, tornaram o amor descartável, de breve duração e sem maturidade para suportar os desafios existenciais. É surpreendente a ocorrência, quando sucede em uniões aparentemente seguras e estáveis, com existência de longo prazo, apresentando-se como falta de amor, desaparecimento da empatia e do interesse afetivo na comunhão conjugal.

Dilaceram-se famílias, criam-se traumas de difícil solução em filhos imaturos que não compreendem os problemas dos pais, nem são devidamente informados, muitas vezes lançados pela imprevidência de um deles contra o outro. E passam a conviver com pessoas estranhas, que substituem provisoriamente aqueles que eram o sustentáculo da sua vida, o amor das primeiras horas, o anjo abençoado dos seus dias.

É certo que uma separação pacífica é muito melhor do que uma convivência litigiosa. A verdade, porém, é outra… As separações nascem, quase sempre, de falsa necessidade de novos parceiros, de prazeres fáceis e ligeiros, de fazer-se parte das redes sociais…

A decadência moral que se avoluma, assustadora, prognostica um futuro sem família, filhos órfãos de pais vivos, desinteressados, uma sociedade sem raízes afetivas, assinalada pelos transtornos afetivos e desajustes emocionais.

Um pouco mais de maturidade psicológica e de amor real poderiam modificar esse comportamento, quando as criaturas se dispam do egoísmo, do direito de posse sobre o outro, dando-lhe o direito de ser humano e agir como tal.

Divaldo Pereira Franco. Artigo publicado no Jornal A Tarde, na coluna Opinião, de 3.11.2016.
Em 9.11.2016. 

Na construção do amanhã

0 comentários
Nos Estados Unidos, o dia dos namorados é comemorado a 14 de fevereiro. Nesse dia, as pessoas costumam enviar cartões não somente para os namorados. Também a amigos e pessoas queridas.

Foi com preocupação que a mãe de um garoto tímido e calado ouviu-o dizer que desejava dar um cartão para cada colega seu.

Chad era um excluído na classe. A mãe o via, todos os dias, retornando da escola.

A turma vinha na frente, brincando, conversando. Ele sempre atrás, sozinho.

Ela ficou angustiada. Mesmo assim, nos dias que se seguiram, ela ajudou o filho a confeccionar os cartões.

Comprou papel, cola e lápis de cor. E ele trabalhou com afinco.

Finalmente, no dia dos namorados, estavam prontos os trinta e cinco cartões.

Ele não cabia em si de contentamento.

A mãe passou o dia preocupada. Tinha certeza que ele voltaria desapontado. Não receberia nenhum cartão.

Por isso, resolveu fazer alguma coisa para amenizar a situação. Assou biscoitos especiais que ele gostava.

Depois, ficou esperando. Olhou pela janela e viu os garotos. Como sempre, eles vinham rindo e se divertindo.

Como sempre, Chad vinha atrás do grupo. Caminhava, no entanto, um pouco mais rápido do que o normal.

Quando entrou em casa, ela esperou que ele se desmanchasse em lágrimas.

Chegou de mãos vazias, como ela pensara. Segurando o pranto, a mãe lhe disse:

Filho, preparei um lanchinho para você.

Mas Chad não prestou atenção ao que ela disse. Com passos firmes, se encaminhou para a cozinha, repetindo:

Nenhum... Nenhum...

Nesse momento, a mãe observou que o rosto do filho brilhava de alegria. E o ouviu completar a frase:

Não esqueci nenhum, nenhum deles!

*   *   *

A atitude do garoto é altruísta e denota uma alma que muito mais se preocupa em ofertar amor, do que buscar ser amado.

Poucas criaturas podem superar, contudo, situações semelhantes.

O bullying, essa prática de agressividade repetida, muito comum entre crianças e adolescentes, tem dado causa a alguns desastres.

O fenômeno é mundial. Crianças e adolescentes são excluídos pelos colegas, perseguidos e humilhados.

Muitos abandonam a escola, sem condições de prosseguirem enfrentando humilhações e trotes.

As estatísticas apontam, ainda, crescente número de suicídios na faixa etária da infância/adolescência, como efeito do bullying.

Qual será o motivo de tamanha crueldade?

Educadores e pais, estejamos atentos. Observemos o comportamento dos nossos filhos.

Serão eles os promotores do bullying ou suas vítimas? É tempo de ensinar a amar em nosso lar. A respeitar os diferentes. A imitar os melhores, não tentar destruí-los.

Pensemos: quais são os comentários que nossos filhos mais ouvem, com respeito aos outros seres, em nosso lar?

Que falamos a respeito dos colegas de trabalho, dos vizinhos, dos filhos dos outros?

É possível que descubramos que essa manifestação doentia, o bullying, seja a resultante da indiferença e do desamor que ensinamos a eles, todos os dias.

*   *   *

O mundo melhor do amanhã está em nossas mãos.

Depende de nós a geração que se estrutura hoje para atuar no mundo logo mais, como cidadãos do mundo, herdeiros das nossas riquezas morais.


Redação do Momento Espírita, com base no cap. Dia dos namorados,  de Dale Galloway, do livro  Histórias para o coração, v. 1,  de Alice Gray, ed. United Press. Em 23.1.2017.

Aniversário da desencarnação de Amélie-Gabrielle Boudet, a Madame Kardec

0 comentários
Dia 21, fez 134 anos do desencarne em Paris, França, de Amélie-Gabrielle Boudet — a Madame Kardec e uma das maiores contribuidoras da Doutrina Espírita.

A jovem Amélie só precisou de um único encontro com o promissor professor Rivail (Allan Kardec) para despertar no moço encanto e sincero desejo de estabelecer um matrimônio, conforme observamos no registro da primeira carta de Kardec para Amélie.

Todas as biografias do codificador espírita apontam para sua esposa como a grande patrocinadora financeira das obras básicas do Espiritismo — pelo que podemos concluir também que tenha sido a primeira e mais fiel incentivadora moral do trabalho do codificador.

Além disso, é reconhecido que, após a passagem de seu esposo para o plano espiritual, em 1869, ela foi, enquanto pôde, dado sua avançada idade, a mais fiel continuadora da obra espírita.

Por isso, esta data é um ensejo oportuno para lembrarmos a obra desta missionária e lhe emitirmos nossas vibrações de reconhecimento e agradecimento.

Aproveite também para conhecer mais sobre a biografia de Amélie-Gabrielle Boudet na Enciclopédia Espírita Online.

Texto publicado no site Espiritismo em Movimento

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Doação de órgãos – Visão Espírita

0 comentários
A doação de órgãos pode ajudar a salvar várias vidas. Quando desencarnamos, nosso corpo físico não tem mais a função de ser a morada do espírito e durante esse desligamento, o espírito será atendido de acordo com as suas necessidades. 

Será que o transplante já estava no plano reencarnatório da pessoa que recebe o órgão doado? 

Veja o que o estudioso espírita Andre Marouço fala sobre o assunto.


Texto e vídeo publicado no site da TV Mundo Maior

Palestra do dia 23/01/2017 - Família - A importância em definir papéis

0 comentários
Em nosso próximo encontro de Palestra Pública, na segunda-feira dia 23, receberemos em nossa Casa Espírita uma visitante para ministrar as reflexões da noite.

Com o tema 'Família - A importância em definir papéis', Kelly Cristina Silva de Araújo, que frequenta a Associação Espírita Francisco de Assis (ASSEFA), no Centro de Várzea Grande, nos dará o prazer de sua presença e auxiliará nas apresentações da noite. Sobre o tema, Kelly diz-se empolgada: "Achei o tema muito interessante, família sempre nos oferece amplas observações", comenta.

A palestra vai aprofundar um pouco mais nesse amplo universo, de acordo com Kelly, será abordado, em relação a definição de papéis, a responsabilidade que cabe ao espírito em assumir isso, principalmente em relação à filiação divina. "A partir desta consideração teremos êxito em qualquer posição que assumirmos no campo da família corporal e espiritual!", pondera ela.

Já viram o que nos espera nesta segunda-feira à noite, não!?!

Companheira de longa data Kelly, está nos trabalhos espíritas há mais de 40 anos e é bem familiarizada com o tema. Aqui publicamos o 1ª Encontro da Família, do LEAE, onde ela participou também!

Esperamos todos!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Fica a dica: Filme - Suicídio nunca

0 comentários
O autor desde conto é Divaldo Pereira Franco, um Filme de Alan Bisbo foi gerado com base numa palestra de Divaldo no Rio de janeiro.

Trata-se de um de curta metragem, primeiro filme brasileiro a usar personagens, cenários virtuais e efeitos especiais criados por um computador.

Drama baseado em fatos reais onde uma jovem resolve suicidar-se com sua filha, mas forças sobrenaturais intercedem a seu favor.

Forças benéficas influenciam para impedir a morte da moça.

O curta, tem a duração de 15 minutos somando-se a palestras e depoimentos importantes sobre o suicídio e suas consequências.

Especificações Técnicas:

Diretor: Allan Bispo 
Elenco: Andréa Corrêa, Carlos Vereza, Monique Lafond, Othon Bastos 
Duração: 15 min
Ano: 2001
Formato: 35mm 
País: Brasil 
Cor: Colorido
Produção: Allan Bispo 
Fotografia: Roland Renze 
Roteiro: Allan Bispo 
Edição: Allan Bispo 
Som Direto: Edgar Filho, Jorge Napoleão 

Direção de Arte: Zingomar de Silveira 

Veja o filme:


quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Feemt promove novo módulo de seminário sobre sexualidade e saúde espiritual

0 comentários
Nos próximos dias 28 e 29 de janeiro de 2017, a Federação Espírita do Estado de Mato Grosso (FEEMT) promove um novo seminário, em sua sede, em Cuiabá: "Sexualidade e Saúde Espiritual 4: Parafilias".

O seminário, a ser conduzido pelos facilitadores Afro Stefanini II e Alírio de Cerqueira Filho, abordará as doenças psíquicas ligadas ao sexo. Para participar, não é necessário se inscrever e o encontro também será transmitido ao vivo pelos sites feemt.org.br/aovivo e espiritizar.org/aovivo.

Esta série de seminários, iniciada no ano de 2015, é um desdobramento da obra Sexualidade e Saúde Espiritual, captada em entrevistas com os Espíritos mentores do Projeto Espiritizar e organizada por Alírio de Cerqueira Filho. Clique aqui para conhecê-la.

O Projeto Espiritizar é um instrumento desenvolvido pela FEEMT para o Movimento Espírita, cujo objetivo é estimular a sintonia com o Projeto Iluminativo de Jesus, por meio da Doutrina Espírita. Clique aqui para conhecer mais.

Abaixo você pode conferir mais informações.

TRANSMISSÃO AO VIVO
www.espiritizar.org/aovivo
www.feemt.org.br/aovivo

QUANDO
28 e 29 de janeiro de 2017
Sábado: 8h às 12h - 14h às 18h
Domingo: 8h30 às 12h30

ONDE
Sede da Feemt - Av. Djalma Ferreira de Souza, nº 260, Morada do Ouro, Cuiabá - MT

FACILITADORES
Afro Stefanini II
Alírio de Cerqueira Filho

INSCRIÇÕES
Não é necessária inscrição prévia

CONTRIBUIÇÃO FINANCEIRA
Voluntária

MAIS INFORMAÇÕES
(65) 3644-2727 | comunicacao@feemt.org.br


Calendário da Turma da Paz 2017

0 comentários
O Departamento de Infância e Juventude da Federação Espírita Brasileira (FEV) lançou o calendário de 2017. 

Nesta edição o tema contempla os 160 anos de O Livro dos Espíritos, contando com atividades variadas a cada novo mês. Confira e baixe o seu aqui!