Blogger templates

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

O Kardec de Marcel


Se depender da força do personagem, esse número atingido em pouco tempo não será apenas “fogo de palha”. O francês Allan Kardec (1804–1869), cujo nome verdadeiro foi Hippolyte Léon Denizard Rivail, lançou mais de uma dezena de livros sobre a religião e, de acordo com a Federação Espírita Brasileira, mais de 11 milhões de cópias de suas obras já foram comercializadas no país.
Em “Kardec: A Biografia”, Souto Maior vai além da doutrina para contar como o cético professor Hippolyte se tornou um missionário que deu origem ao espiritismo. Em sua pesquisa, o jornalista e escritor usou documentos históricos, como jornais e revistas da época, inclusive originais da “Revista Espírita”, publicada todo mês por Kardec durante 12 anos.


A expectativa é de que a publicação siga os passos do sucesso de "As Vidas de Chico Xavier" (editora LeYa), biografia do mesmo autor. Desde 2003, quando foi lançada, a narrativa sobre o brasileiro já vendeu mais de um milhão de cópias no país, e sua adaptação para o cinema, no filme "Chico Xavier", dirigido por Daniel Filho, ultrapassou a marca de 3 milhões de espectadores.

De acordo com o IBGE, o número de espíritas autodeclarados no Brasil é de 3,8 milhões, apenas, mas o grupo de simpatizantes com a doutrina criada por Kardec é de 30 milhões, segundo a Federação Espírita Brasileira.

Isso pode explicar o bom desempenho das produções anteriores e o rápido aparecimento de “Kardec: A Biografia” nas listas de mais vendidos das grandes publicações. Nas edições desta semana da revista Veja e da Época, o livro recém-lançado ficou em 7º e 6° lugar, respectivamente, na categoria Não Ficção. Nos jornais O Globo e Folha de S. Paulo do dia 2 de novembro, a história de Allan Kardec ficou, respectivamente, em 6° e 9º lugar na categoria Não Ficção.

*Texto extraído do blog Espiritismo Comentado.

0 comentários: