Blogger templates

domingo, 4 de novembro de 2012

Sociólogo analisa espiritismo no Brasil

Em "Os Mortos e os Vivos", o sociólogo Reginaldo Prandi oferece ao leitor uma breve introdução ao kardecismo, a "religião discreta" da classe média brasileira, e à umbanda, essa versão miscigenada e menos "letrada" do espiritismo no Brasil. Ambas as crenças dizem muito do país, como nos mostra Prandi, com mão leve, em seu texto. O livro é publicado pela Três Estrelas, selo editorial do Grupo Folha. O autor prefere sempre sugerir a estabelecer correspondências explícitas entre o espiritismo e características da sociedade brasileira.


 
Mas é impossível não perceber as disputas por status, o anseio da elite e das classes médias por "modernização", as relações de classe e os preconceitos de cor na história contada por Prandi. Apesar de se referir à crença imemorial em entidades invisíveis, o "espiritualismo" é sobretudo um fenômeno moderno. Foi em meados do século 19, diz o autor, que a prática de comunicação com os espíritos se tornou moda na Europa e nos EUA. Muitos de seus praticantes acreditavam que seria possível recorrer à ciência para explicar essas relações mediúnicas.
 
Esse caráter moderno, cientificista, foi exaltado por Allan Kardec ao fundar o espiritismo, que se valia também de outra ideia característica da modernidade, a de progresso, associada às reencarnações dos espíritos.
 
A nova doutrina de origem francesa encontrou terreno fértil no Brasil, único país onde veio a se constituir em religião completa e autônoma.
 
Talvez por seu caráter "modernizador", o espiritismo exerceu forte atração sobre homens ilustres da sociedade carioca. O cronista João do Rio registrava entre seus seguidores, no início do século 20, membros das Forças Armadas, advogados, professores e jornalistas.
 
A escolaridade elevada é ainda hoje uma marca dos kardecistas. Mais de 30% deles têm o curso superior completo --nível atingido por 9% dos católicos, e por 4% dos evangélicos pentecostais.
 
 
Mais sobre o livro: OS MORTOS E OS VIVOS
AUTOR Reginaldo Prandi
EDITORA Três Estrelas
QUANTO R$ 25 (116 págs.)
 
* Texto extraído do site Partida e Chegada

0 comentários: