Blogger templates

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Allan Kardec e as Obras Básicas

Por Fabiana Lampréia Padilha
-------------------------------

Introdução

Os fatos atinentes às revelações dos Espíritos ou fenômenos mediúnicos remontam a mais recuada Antigüidade, sendo tão velhos quanto o nosso mundo. A História, a este propósito, está pontilhada desses fenômenos de intercomunicação espiritual. A respeito dos princípios espíritas, muitos homens ilustres manifestaram-se favoravelmente, como Sócrates, Platão, Pitágoras, Empédocles, Apolônio de Tiana, Buda, Hermes Trimegisto, etc.

As evocações dos Espíritos existiram sempre tanto no Ocidente quanto no Oriente, como se observa pelos relatos do Código dos Vedas e do Código de Manu.

Paulo, o apóstolo, em suas cartas, reconhecia a prática das manifestações espirituais, alertando-nos quanto à procedência dessas comunicações. Na Idade Média, destaca-se a figura admirável de Joana D'Arc, a grande médium, recusando sempre a renegar as vozes espirituais.

Precursores Imediatos

Numa época mais moderna é que podemos melhor situar a fase precursora do Espiritismo. A diferença entre os fatos desta fase e os fenômenos da "Pré-História", como bem acentua Arthur Conan Doyle, está em que estes últimos episódios eram esporádicos, sem uma seqüência metódica, enquanto aqueles têm a característica de uma "invasão organizada". É nessa época mais moderna que vamos encontrar alguns notáveis antecessores, como o famoso clarividente sueco, Emmanuel Swedenborg, engenheiro militar, insigne teólogo de valioso patrimônio cultural e dotado de largo potencial de forças psíquicas.

Um outro notável precursor foi Andrew Jackson Davis, magnífico sensitivo que viveu entre 1826 e 1910, considerado por Conan Doyle como profeta da Nova Revelação.

Os Fenômenos Hydesville e as Mesas Girantes

Hydesville é uma pequena cidade no interior do estado de Nova Iorque, na América do Norte. Poucas casinhas de madeira, alguns estabelecimentos comerciais e muita calma. Até que transfere-se para lá, no ano de 1846, a família Fox. O primeiro ano da família Fox em Hydesville correu sem incidentes, embora vez por outra, observassem ruídos estranhos à semelhança de "arranhaduras".

Em meados de março de 1848 tais ruídos atingiram proporções gigantescas: pancadas, arrastar de móveis e tremores nas camas. A família estava decidida a mudar-se, quando na noite de 31 de março de 1848 (data que os americanos consideram como de fundação do Espiritismo), a menina Kate de 11 anos decide "interrogar as pancadas".

Diz: "- Senhor Pé Rachado, faça o que eu faço." e bateu 3 palminhas.

Imediatamente ouviu 3 pancadas.

Margarete, sua irmã de 14 anos, achou interessante e disse:

"Agora sou eu; faça assim." E bateu 4 palmas. Quatro pancadas ressoaram.

A partir daí centenas de pessoas foram chamadas a presenciar o fenômeno e, através de um alfabeto, representando as letras através de pancadas, eles descobriram que estavam conversando com um "morto". Chamava-se Charles Rosna, havia sido assassinado naquela casa há 5 anos. Indicou o local onde seu corpo estava enterrado, o que posteriormente foi confirmado.

Os fenômenos de Hydesville, abriram a porta para muitos outros, que levou Conan Doyle a considerá-los

"Como a coisa mais importante que deu a América para o mundo."

Após os acontecimentos de Hydesville, tornou-se "a coqueluche da sociedade francesa", aquilo que ficou conhecido com o nome de Mesas Girantes.

Consistiam em mesas comuns, de madeira, de três pés, onde as pessoas sentavam-se em torno para dialogarem com os Espíritos. Utilizando-se de recursos mediúnicos de uma ou mais das pessoas presentes, as entidades desencarnadas, através de pancadas nas mesas ou movimentos, respondiam inteligentemente às perguntas dos curiosos.

Informam os historiadores que nos anos de 1853 a 1855, as mesas girantes constituíam, em Paris, verdadeiros passatempo, sendo diversão quase obrigatória nas reuniões sociais.

Todavia, ninguém poderia imaginar que dessa brincadeira de salão brotaria o impulso inicial para a Codificação do Espiritismo.

* Trechos retirados do texto 'Allan Kardec e as Obras Básicas', extraído do site Portal do Espírito.

0 comentários: